Assembleia Legislativa do Amazonas Câmara Municipal de Manaus Cidades Ciência Economia Educação Energia Esporte Eventos Meio Ambiente
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
02/06/2018 | 09:53 - Internacional / Mundo

Mundo . Nicolás Maduro diz que vai libertar 39 opositores

Reuters

Entre os 39 que serão libertados está o ex-prefeito da cidade de San Cristóbal, Daniel Ceballos, que recebeu o prêmio Sakharov à Liberdade de Consciência juntamente com outros integrantes da oposição venezuelana. Em seu caso, há medidas cautelares que o obrigam a se apresentar aos tribunais a cada 30 dias. Ele não pode fazer declarações à imprensa nem por redes sociais.

 

Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela ordenou nesta sexta-feira, dia 1º, a libertação de 39 opositores, classificados como "presos políticos" por diversas ONGs venezuelanas e a maioria da oposição, depois do pedido do presidente Nicolás Maduro de revisar os casos de "atores políticos" reclusos. O chavista tenta se aproximar da oposição, que não reconhece a eleição do dia 20, que o levou à reeleição. 

"Para este grupo de pessoas, detidas por diferentes fatos ocorridos entre os anos de 2014 e 2018, foram outorgadas medidas como: liberdades plenas, medidas cautelares de apresentação a cada 30 dias e proibição de saída do país, fórmulas alternativas de cumprimento de pena, entre outras", disse o órgão em comunicado.


Entre os 39 que serão libertados está o ex-prefeito da cidade de San Cristóbal, Daniel Ceballos, que recebeu o prêmio Sakharov à Liberdade de Consciência juntamente com outros integrantes da oposição venezuelana. Em seu caso, há medidas cautelares que o obrigam a se apresentar aos tribunais a cada 30 dias. Ele não pode fazer declarações à imprensa nem por redes sociais.

Os "pontos vermelhos" foram o centro de uma polêmica neste domingo durante as eleições presidenciais na Venezuela. O governo de Nicolás Maduro pediu a quem tivesse o 'Carnê da pátria' - documento necessário para ter acesso a programas sociais - que passasse nestas tendas para registrar o comparecimento às urnas

O comunicado também informa sobre a libertação de 16 pessoas acusadas de agir violentamente durante um ato do ex-candidato à presidência Henri Falcón em 2 de abril. Essas 16 pessoas devem se apresentar aos tribunais a cada 30 dias.

O governo informou que, como parte do "chamado ao diálogo e à reconciliação", serão libertados opositores que estão presos desde 2002, quando ocorreu o golpe de Estado que afastou o então presidente Hugo Chávez do poder por 48 horas. Pelos fatos de 2002 foram condenados dez funcionários da extinta Polícia Metropolitana (MP), acusados de assassinatos. / EFE

Reuters

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2018 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença