Amazônia Assembleia Legislativa do Amazonas Brasília Câmara Municipal de Manaus Cidades Ciência Cotidiano Economia Educação Energia
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
21/10/2019 | 18:36 - Brasil / Eventos

AM. Ocorrerá em Manaus nos próximos dias 25 e 26, no auditório do hotel Mercure, ministrado pelo Juiz Yulli Roter

Divulgação

O juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Alagoas (TJAL) Yulli Roter, que ministrará o curso, acredita que a pacificação social não é algo mecânico, existem peculiaridades instintivas, emocionais, racionais e intuitivas, daí a importância de se criar condições de mudança para a solução de conflitos. “Como o ser humano se relaciona dentro de seu sistema familiar: não temos comportamentos autônomos, mas sim dependentes do contexto em que se está. Como sistema, eventual sintoma é visto como parte do equilíbrio encontrado. Uma mudança se faz necessária para que se encontre um novo equilíbrio, com a superação do sintoma; as Constelações são destinadas à percepção destas inter-relações e a tomada da consciência e possíveis responsabilidades para superação de eventual sintoma apresentado”, explicou o magistrado.

.

Como a pessoa se relaciona dentro de seu sistema familiar? E já que os comportamentos são dependentes entre si, o que acontece quando existem conflitos, as hostilidades e os desentendimentos? Este é um dos assuntos do curso “Pensamento Sistêmico na resolução de conflito: como torná-los mais leves sob a ótima das Constelações Sistêmicas, Estruturais e da Intenção”, que será realizado nos dias 25 e 26 deste mês, no auditório do hotel Mercure, em Manaus, para operadores do Direito, psicólogos, terapeutas e todos os profissionais que tenham interesse pelo tema.

 

O juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Alagoas (TJAL) Yulli Roter, que ministrará o curso, acredita que a pacificação social não é algo mecânico, existem peculiaridades instintivas, emocionais, racionais e intuitivas, daí a importância de se criar condições de mudança para a solução de conflitos. “Como o ser humano se relaciona dentro de seu sistema familiar: não temos comportamentos autônomos, mas sim dependentes do contexto em que se está. Como sistema, eventual sintoma é visto como parte do equilíbrio encontrado. Uma mudança se faz necessária para que se encontre um novo equilíbrio, com a superação do sintoma; as Constelações são destinadas à percepção destas inter-relações e a tomada da consciência e possíveis responsabilidades para superação de eventual sintoma apresentado”, explicou o magistrado.

 

O advogado Clynio Maurício Saunier, que coordena o curso, explicou que as Constelações Sistêmicas são um meio eficaz de pacificação e resolução de conflitos e à disposição de qualquer pessoa. “Fato já constatado em 17 Tribunais brasileiros que adotam as Constelações Familiares para resolução de conflitos, obtendo resultados surpreendentes e contribuindo para desjudicialização dos processos”, observou Clynio, ressaltando que esse método terapêutico, desenvolvido pelo ex-padre alemão Bert Hellinger, é breve e permite às partes tomarem consciência da raiz das questões que as envolvem “e, assim, surge a possibilidade de responsabilização e superação dos conflitos, que as fizeram buscar auxílio na Justiça”, completou.

 

As Constelações são utilizadas também em vários ramos do conhecimento, como na Pedagogia, nas organizações empresariais, área da saúde etc, em que o olhar sobre a família, como núcleo propulsor e influenciador do indivíduo vem se ampliando, conforme explicou Clynio Saunier.

 

O juiz Yulli Roter adicionou que os aspectos da biografia da pessoa também são levados em conta nas Constelações Sistêmicas, principalmente a percepção de traumas, “vistos como uma desassociação no psique que influenciam intensamente no comportamento das pessoas”. “A percepção de todas estas informações levam a uma maior autonomia para a pessoa, cada vez mais, seja apta a responder as seguintes perguntas: ‘quem eu sou?’ e ‘para onde vou?”, acrescentou o juiz, que também vai realizar uma palestra no auditório do Ministério Público Estadual, no dia 24, a partir das 17h.

 

O curso, promovido pela Manás – Consteladores Sistêmicos do Amazonas, uma organização não governamental, será de dois dias, a partir das 8h30 (credenciamento) até 18h, com intervalo para almoço. O valor da inscrição é simbólico, de R$ 30,00. Outras informações podem ser obtidas por meio dos telefones (92) 99972-4849, 98451-8284, 99297-0707 ou 99137-7272.

 

Perfil do Magistrado

Yulli Roter é professor de Direito Constitucional e formado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Militar de Engenharia. Juiz de Direito do TJAL, titular da 2ª Vara Cível da Comarca de União dos Palmares, onde se dedica a atividade de judicatura ao introduzir o pensamento sistêmico em audiências de conciliação, ocasião em que não são discutidos direitos das partes, mas sim as emoções subjacentes que levaram ao conflito.

 

Constelador familiar e organizacional, o magistrado vem procurando introduzir modelos estruturais em audiências, sem a necessidade do uso formal de constelações, as quais são realizadas quando realmente as partes necessitadas consentem. Sua experiência profissional em filosofia do Direito, meditação, física quântica, permite a abordagem do pensamento sistêmico e das constelações de forma clara e simples.

 

 

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2019 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença