Amazônia Assembleia Legislativa do Amazonas Brasília Câmara Municipal de Manaus Cidades Ciência Cotidiano Economia Educação Energia
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
29/10/2019 | 15:55 - Brasil / Saúde

BRA. Novembro Azul reforça a prevenção ao câncer de próstata e a busca pelo bem-estar masculino

Divulgação

“O alerta permanente da urologia é: faça os exames de rastreio nas idades preconizadas pela SBU. O toque retal, aliado ao PSA (Antígeno Prostático Específico), cuja dosagem é feita através do exame de sangue, é uma combinação que tende a salvar vidas. Então, aos homens que ainda temem que a masculinidade seja afetada por exames dessa natureza, frisamos que o mais importante é manter-se saudável e seguro. E que um exame não determina a orientação sexual de ninguém”, destacou.

 

 Com o tema “Seja herói da sua saúde – oriente-se sobre o câncer de próstata”, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) lança, no próximo dia 1º, a campanha nacional Novembro Azul, voltada especialmente para a saúde masculina. O presidente da seccional Amazonas da entidade, cirurgião urologista Giuseppe Figliuolo, explica que o movimento, este ano, busca alertar que não basta apenas estar bem fisicamente, para garantir um bem-estar pleno. É preciso focar no combate aos problemas do dia-a-dia, buscar sempre a prevenção e estar atendo quanto à necessidade de procurar ajuda especializada, caso seja necessário, deixando o preconceito de lado.

 

O mote da campanha é a importância de se buscar o diagnóstico precoce do câncer de próstata, doença que deve atingir cerca de 68,2 mil homens no Brasil, em 2019, e 580 no Amazonas, conforme projeção mais recente do Instituto Nacional do Câncer (INCA), vinculado ao Ministério da Saúde.

 

A próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino, localizada abaixo da bexiga. Com o envelhecimento do homem, ela tende a aumentar, podendo desenvolver o câncer ou outras patologias, a exemplo da hiperplasia prostática benigna.

 

“O alerta permanente da urologia é: faça os exames de rastreio nas idades preconizadas pela SBU. O toque retal, aliado ao PSA (Antígeno Prostático Específico), cuja dosagem é feita através do exame de sangue, é uma combinação que tende a salvar vidas. Então, aos homens que ainda temem que a masculinidade seja afetada por exames dessa natureza, frisamos que o mais importante é manter-se saudável e seguro. E que um exame não determina a orientação sexual de ninguém”, destacou.

 

Chances de cura

 

Figliuolo, que atua há vários anos no combate ao câncer nas redes pública e privada do Amazonas, destaca que já há métodos seguros e eficientes de se tratar o câncer de próstata, os quais reduzem significativamente as chances de sequelas, tais como a incontinência urinária e a impotência sexual, garantindo mais qualidade de vida aos pacientes. “Lembramos que, se descoberto cedo, o câncer de próstata tem até 90% de chances de cura. Outra informação relevante é que, quando mais precocemente ele é detectado, menos invasivo será o tratamento e mais rápida será a recuperação do paciente”.

 

Os exames de rastreio devem ser feitos anualmente, por um urologista, a partir dos 50 anos. Para os que apresentarem algum fator de risco importante, como a hereditariedade, por exemplo, o recomendado é que inicie a prevenção aos 45.

 

“O fator hereditário é caracterizado pela presença de doença em parentes de primeiro e segundo graus, tais como pais, filhos ou avôs. Se a pessoa tem casos de câncer na família, as chances de se desenvolver a doença são maiores”, reforça Giuseppe Figliuolo. O mesmo para homens negros, que devem iniciar mais cedo o rastreio.

 

 

Sintomas e tratamentos

 

O especialista lembra, ainda, que na fase inicial, o câncer de próstata não apresenta sintomas. “Por isso, é importante a visita anual ao urologista. Só assim, pode-se descobrir a doença cedo e evitar inúmeras mortes”. Quando o tumor maligno já apresenta tamanho intermediário ou grande, alguns sintomas podem aparecer, tais como: sangue na urina, dores constantes na região pélvica, dor óssea, dor ao urinar, aumento da vontade de urinar, entre outros.

 

O tratamento pode ser cirúrgico (incluindo as videolaparoscopias e cirurgias robóticas, ambas minimamente invasivas), com quimioterapia e/ou radioterapia.
 

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2019 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença