Brasília Cidades Ciência Cotidiano Cultura Economia Educação Energia Entretenimento ESPECIAL PUBLICITÁRIO
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
18/08/2020 | 18:15 - Brasil / Notícias

CNMP adia pela 41ª vez julgamento de Dallagnol no caso do powerpoint

Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

O coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol

 
 
Ação enviada ao conselho por Lula, acusa procurador de parcialidade, por acusá-lo de chefiar quadrilha
 
O plenário do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) adiou nesta 3ª feira (18.ago.2020) o julgamento de Deltan Dallagnol sobre uma apresentação em powerpoint na qual a força-tarefa da Lava Jato apontou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como chefe da organização criminosa na Petrobras.
 
O vice-procurador geral da República, Humberto Jacques, foi quem presidiu a sessão no lugar de Augusto Aras.
 
Lula diz que o coordenador da Lava Jato em Curitiba foi parcial na condução dos processos contra ele. O ex-mandatário argumenta que foi considerado culpado pela suposta corrupção na estatal antes de ser julgado.
 
O caso continua em pauta e pode ser chamado na próxima sessão, que será realizada em 25 de agosto, próxima 3ª feira, às 9h. Assista aqui à sessão desta 3ª feira (18.ago).
 
VITÓRIAS NA JUSTIÇA
 
Além do fôlego que Deltan Dallagnol ganhou no processo movido pelo ex-presidente Lula, o chefe da Lava Jato em Curitiba livrou-se, por ora, de mais duas ações.
 
O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello ordenou na noite de 2ª feira (17.ago.2020) que o CNMP retirasse de pauta ações que poderiam resultar no afastamento de Dallagnol da operação.
 
Leia a íntegra das decisões aqui (434 KB) e aqui (458 KB).
 
Os 2 procedimentos questionam a atuação do procurador à frente da Lava Jato e pedem que ele seja removido do comando da operação. A 1ª ação foi apresentada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). Segundo ele, Dallagnol fez campanha na internet para atacá-lo.
 
A 2ª ação é 1 pedido da senadora Kátia Abreu (PP-TO). A congressista cita 16 reclamações disciplinares contra Dallagnol e, também, o acordo com a Petrobras para que R$ 2,5 bilhões recuperados fossem destinados a 1 fundo da Lava Jato.
 
 

Fonte: Poder 360 

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2020 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença