Brasília Cidades Ciência Cotidiano Cultura Economia Educação Energia Entretenimento ESPECIAL PUBLICITÁRIO
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
18/07/2020 | 11:25 - Brasil / Notícias

Ex de Bolsonaro comprou imóveis em dinheiro vivo durante casamento, diz revista

Divulgação / Podemos

Ana Cristina foi a 2ª mulher de Bolsonaro e é mãe de Jair Renan Bolsonaro, o filho 04 do presidente

 
Foram 14 imóveis de 1997 a 2008, 5 comprados em dinheiro vivo. As transações são consideradas suspeitas
 
 Do fim de 1997 até 2008, a então mulher do presidente Jair Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle, comprou 14 imóveis. Os apartamentos, terrenos e casas valiam cerca de R$ 3 milhões na data da separação (2008) e hoje, com valores corrigidos pela inflação, chegam aos R$ 5,3 milhões. Ana Cristina foi a 2ª mulher de Bolsonaro e é mãe de Jair Renan Bolsonaro, o filho 04 do presidente.
Reportagem da revista Época revelou que 5 dos 14 imóveis foram comprados em “moeda corrente”, ou seja, dinheiro vivo. Somados, valiam R$ 243,3 mil na época e R$ 680 mil hoje, com a inflação corrigida. As 2 casas, os 2 apartamentos e 1 terreno foram adquiridos a partir de 2000 até 2006, período investigado no caso das “rachadinhas” –a prática de tomar parte do salário de servidores.
 
As investigações apuram as gestões do hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) quando ele era deputado estadual no Rio de Janeiro. Seu irmão, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), de quem Ana Cristina foi chefe de gabinete por 7 anos, também é investigado. Ela é alvo da investigação do Ministério Público do Rio por suspeita de ter sido funcionária fantasma.
Antes do casamento, Ana Cristina não tinha nenhum imóvel registrado em seu nome. Bolsonaro tinha 2 apartamentos no Rio de Janeiro e 1 terreno em Angra dos Reis.
Depois da separação, em 2008, Ana Cristina ficou com 9 imóveis. Entre eles, 5 terrenos na cidade de Resende, Rio de Janeiro, que levantam a suspeita de transações incomuns. Os terrenos foram revendidos pelo valor de R$ 1,9 milhão, 5 anos depois de serem comprados, em 2006, por R$ 160 mil.
A apuração feita pela Época mostra que, dos 14 imóveis, em pelo menos 6 as escrituras registram 1 preço menor do que o que foi usado nos cálculos do ITBI, imposto pago sobre a transmissão de bem imóveis. Esse valor representa 1 percentual do valor fiscal do imóvel e é obrigatório.
O patrimônio de Ana Cristina, atualmente trabalhando como chefe de gabinete de 1 vereador de Resende, continuou crescendo depois que se separou de Bolsonaro. Ela comprou, em 2019, 1 apartamento avaliado em R$ 1,2 milhão, segundo cálculos feitos a partir do imposto pago. No entanto, o valor declarado na escritura é de R$ 420 mil. Ana Cristina também comprou 2 salas comerciais, 1 casa e 1 terreno.
Procurada pela Época para comentar sua evolução patrimonial e as negociações dos imóveis, Ana Cristina não respondeu. Em nota, seu advogado, Magnum Cardoso, disse que os fatos narrados na reportagem não condizem com a realidade e que sua cliente não cometeu qualquer crime.
 
Fonte: Poder 360

    

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2020 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença