Brasília Cidades Ciência Cotidiano Cultura Economia Educação Energia Entretenimento ESPECIAL PUBLICITÁRIO
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
25/04/2020 | 21:10 - Brasil / Brasília

Moro diz que tentativas de interferência de Bolsonaro na PF são recentes

Sérgio Lima / Poder 360

 
 
O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou que as tentativas do presidente Jair Bolsonaro de interferir na Polícia Federal aconteceram depois de 12 de março.
 
Em entrevista ao jornal O Globo, o ex-juiz afirma que é “fato notório”, assumido pelo próprio presidente, “suas reiteradas tentativas de interferência na PF, com troca de superintendentes e do diretor-geral”.
 
Declarou que, até o momento da demissão, conseguiu evitar que “essas tentativas prosperassem”.
 
Desde a manhã deste sábado (25.abr.2020), entrevistas dadas pelo ex-ministro em janeiro e março de 2020 são compartilhadas nas redes sociais. Nas ocasiões em questão, Moro disse que Bolsonaro nunca interferiu “indevidamente” na Polícia Federal e que a corporação estava trabalhando “com a autonomia que tem sido garantida a ela”.
 
Em relação às declarações, o ex-ministro afirma que, até aquele momento, o presidente não havia, de fato, tentado interferir na PF –mas que o fez depois.
 
“Então, as entrevistas de janeiro e março sobre o presidente não interferir na PF eram verdadeiras, mas não são mais”, concluiu.
 
CONTEXTO
 
Sergio Moro deixou o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública na 6ª feira (24.abr.2020). O ex-juiz acusou indiretamente o presidente de ter cometido crimes de responsabilidade e de falsidade ideológica.
 
“O presidente me disse mais de uma vez, expressamente, que queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações, que ele pudesse colher relatórios de inteligência, seja o diretor, seja superintendente. E, realmente, não é o papel da Polícia Federal prestar esse tipo de informação”, afirmou.
 
Na mesma declaração, Moro também acusou Bolsonaro, indiretamente, de ter publicado 1 texto inverídico. Disse não ter assinado o decreto de exoneração do ex-diretor geral da PF, Maurício Valeixo.
 
De acordo com o ex-ministro, o presidente também informou a ele “que tinha preocupação com inquéritos em curso no STF [Supremo Tribunal Federal] e que a troca também seria oportuna na PF por esse motivo”.

  

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2020 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença