Brasília Cidades Ciência Cotidiano Cultura Economia Educação Energia Entretenimento ESPECIAL PUBLICITÁRIO
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
20/01/2020 | 18:46 - Brasil / Brasília

Regina Duarte sinaliza sim ao convite de Bolsonaro para cultura: 'vamos noivar'

Divulgação

Regina Duarte é uma das maiores apoiadoras de Bolsonaro no mundo artístico. Em 2018, durante campanha eleitoral, ela participou de um ato a favor do então candidato do PSL na Avenida Paulista, em São Paulo.

 

A atriz Regina Duarte afirmou que começará nesta terça-feira (21) o período de testes na Secretaria Especial da Cultura. Após reunião com o presidente Jair Bolsonaro, a atriz teria aceitado substituir Roberto Alvim no posto. 

Ela já havia sido convidada anteriormente, mas havia recusado. Depois da queda de Alvim após vídeo citando ministro nazista, o assédio dos membros do governo aumentou e dessa vez o convite teria sido aceito.

Em nota, o Palácio do Planalto confirma a ida da atriz à Brasília. "Após conversa produtiva com o presidente Jair Bolsonaro, Regina Duarte estará em Brasília na próxima quarta-feira, 22, para conhecer a Secretaria Nacional de Cultura do governo federal".

Regina Duarte é uma das maiores apoiadoras de Bolsonaro no mundo artístico. Em 2018, durante campanha eleitoral, ela participou de um ato a favor do então candidato do PSL na Avenida Paulista, em São Paulo.

Ela chegou a afirmar, em declaração ao jornal “O Estado de São Paulo”, que Bolsonaro é "um cara doce, um homem dos anos 1950, como meu pai, e que faz brincadeiras homofóbicas, mas é da boca pra fora".

Queda de Roberto Alvim

O ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, foi demitido pelo presidente na última sexta-feira (17). Alvim acabou exonerado após a repercussão negativa de um discurso em que parafraseou um discurso de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda do governo de Adolph Hitler, na Alemanha nazista.

Alvim foi o terceiro titular da Cultura no governo Bolsonaro. Em agosto, o então secretário Henrique Pires deixou o cargo após polêmica envolvendo filmes com temática LGBT. À época, ele afirmou que preferia sair a "bater palma para censura".

Posteriormente, o economista Ricardo Braga foi alçado ao cargo, mas acabou sendo indicado para chefiar uma secretaria do Ministério da Educação após cerca de dois meses.

Yahoo

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2020 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença