Brasília Cidades Ciência Cotidiano Cultura Economia Educação Energia Entretenimento ESPECIAL PUBLICITÁRIO
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
04/07/2020 | 17:00 - Brasil / Geral

Restos mortais são comercializados por grupos privados

Divulgação

As negociações, macabras, ocorrem no Facebook

 
Grupos privados criados no Facebook estão fazendo um verdadeiro comércio online de restos mortais que incluem desde bebês a pessoas adultas.
Esse material vem dos mais variados países e tem origens e métodos de aquisições diversos. Alguns dos anunciantes revelam que roubaram as partes de sítios arqueológicos. Outros dizem que as vieram de escolas de medicina, hospitais.
 
A vitrine virtual tem fetos, corpos mumificados, crânios adultos e infantis, entre outras partes humanas. Os valores também variam e custam, em média, de R$ 2 mil a R$ 70 mil.
 
Essas informações vieram a público depois que uma repórter do site Live Science conseguiu se infiltrar em um deles e acompanhou as negociações por mais de 10 meses ela revela que os clientes são ativos e não poupam na hora de pagar. O setor é aquecido e constante alimentado, mesmo sendo expressamente proibido em praticamente todo o mundo.
 
Mas isso não parece intimidar os clientes. E, por isso, autoridades têm cobrado o Facebook para que entre com medidas duras e combate esse tipo de crime. Grandes plataformas como Ebay e Instagram já baniram contas que insistiram em comercializar restos mortais.
 
 

Fonte: O Liberal 

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2020 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença