Brasília Cidades Ciência Cotidiano Cultura Economia Educação Energia Entretenimento ESPECIAL PUBLICITÁRIO
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
27/04/2020 | 20:10 - Amazonas / Brasília

Rodrigo Maia pede calma e evita falar sobre impeachment de Bolsonaro

Sérgio Lima/Poder360

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no púlpito montado para entrevistas durante a crise do coronavírus

 
 
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta 2ª feira (27.abr.2020) que pedidos de impeachment e CPI (comissão parlamentar de inquérito) contra o presidente da República devem ser tratados com “muito cuidado”.
 
Na 6ª feira (24.abr), o ex-ministro da Justiça Sergio Moro anunciou seu desembarque do governo e fez uma série de acusações contra o presidente da República.
 
Disse que não assinou 1 documento que saiu no Diário Oficial da União com seu nome –a retirada de Maurício Valeixo da direção geral da Polícia Federal. Também afirmou que Bolsonaro quer interferir politicamente na PF.
 
Parte dos deputados passou a defender a abertura de 1 processo de impeachment do presidente ou de CPI, com base nas afirmações do ex-ministro da Justiça. Como presidente da Câmara, Maia tem a prerrogativa de iniciar ou não o procedimento que poderia culminar na deposição de Bolsonaro.
 
“Quando você trata de 1 tema como impeachment, eu sou o juiz. Então não posso ficar falando”, disse Rodrigo Maia. A avaliação na Câmara é que, atualmente, as chances de o demista aceitar 1 pedido de impeachment de Bolsonaro são pequenas.
 
Maia disse que já esteve em situação parecida no governo de Michel Temer. Durante seu tempo à frente do Planalto, o ex-presidente teve duas denúncias da PGR (Procuradoria Geral da República) barradas na Câmara, já presidida por Maia. O caso é de 2017.
 
“Não podemos permitir que o parlamento seja mais 1 instrumento de crise e incertezas”, disse Rodrigo Maia. Segundo ele, o foco da Câmara devem ser as medidas de combate ao coronavírus.
 
Os números da covid-19, causada pelo coronavírus, no país ainda estão em estágios inciais, diz Maia. Mas, segundo ele, “já chegaram em patamar muito maior que alguns auxiliares do governo imaginaram”. Segundo a última atualização do ministério da Saúde, são 61.888 casos confirmados e 4.205 mortes.
 
Rodrigo Maia também afirmou que a turbulência política desencadeada pelas afirmações de Moro são 1 problema de governo. “Nesse caso específico o doutor [procurador-geral da República, Augusto] Aras abriu uma investigação que certamente vai chegar a algum resultado”.
 
SOCORRO AOS ESTADOS
 
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, tentam chegar a 1 acordo alternativo à proposta aprovada pela Câmara. O texto é considerado uma bomba fiscal pelo governo.
 
De acordo com Maia, é “legítimo” que os senadores discutam se mantém ou não o texto da Câmara. Ele insistiu, porém, na necessidade de a União garantir uma arrecadação mínima de ICMS e ISS para Estados e municípios. “Nos últimos dias aumentou muito minha convicção”, afirmou.
 
“Vamos esperar o texto apresentado pelo presidente do Senado e vamos dialogar”, disse Rodrigo Maia.
 
 
RELAÇÃO COM GUEDES
 
Maia disse que não se reuniu com Guedes nos últimos dias para falar sobre o socorro aos Estados. Ele afirmou, porém, que o ministro tem “credibilidade”. “Tive alguns conflitos com ele [Paulo Guedes] nas últimas semanas, mas isso não me coloca aqui apenas para critica-lo”.
 
O presidente da Câmara usou palavras fortes ao se referir ao ministro da Economia quando a discussão do socorro aos Estados estava mais quente, na 1ª metade de abril.
 
Rodrigo Maia também afirma que os 2 últimos ministros que deixaram o governo, Sergio Moro e Luiz Henrique Mandetta, gozavam de credibilidade junto à população. Em Brasília, fala-se que Guedes pode ser o próximo ministro a cair.
 
 
AUTONOMIA DA POLÍCIA FEDERAL
 
O estopim da saída de Moro do Ministério da Justiça foi a retirada do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. Ele era homem de confiança de Moro. Sua exoneração foi publicada no Diário Oficial com o nome do ministro, que nega ter assinado o documento.
 
Delegados federais têm tentado usar o caso para impulsionar uma demanda antiga da categoria: a autonomia da corporação. Para essa alteração ser feita, seria necessária uma emenda à Constituição.
 

Maia disse que a probabilidade de uma proposta como essa prosperar no momento é baixa. “Não é hora de discutir questões estruturais”, afirmou. 

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2020 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença